ÁRVORES

MEU FASCÍNIO PELAS ÁVORES ME LEVOU A PESQUISAR LENDAS, CAUSOS E VERDADES A RESPEITO DELAS. VOU TENTAR COLOCAR AQUI, UM POUCO DESSA MINHA ADMIRAÇÃO, À HUMILDADE, AO SILÊNCIO E A PRESENÇA DAS ÁRVORES EM NOSSAS VIDAS!



terça-feira, 3 de maio de 2011

A curva de looping!

Até agora estou ‘tentando’ entender o que aconteceu...
A belíssima gabiroba que me fascinou logo na primeira vez em que cheguei até aquele lindo lugar, em plena Serra do Mar, fazendo com que eu ficasse arrepiada, estonteada e procurasse a ‘estória’ da árvore, bem... ela rachou-se ao meio.
Sim... logo depois que resgatei a ‘estória’ (em maio de 2011), que os olhos de todos meus amigos se voltaram para a árvore, que o mistério a respeito da longevidade e da beleza dessa gabiroba veio à tona, em uma noite de lua cheia, há poucos dias (junho de 2011), estalou feio, rompeu-se ao meio, quebrou.



Foi um ‘Deus nos acuda’ para todo lado. A estrada bloqueada pelos enormes galhos que há séculos tocavam o céu com suas bromélias e orquídeas, agora, beijam o chão.  Cortar os galhos para liberar a estrada foi única solução.
Não consigo entender este desmando da natureza. Fiquei um bom tempo contemplando metade da árvore caída e a outra, imponente, dizendo ao vento ‘tudo bem... estou viva’.


Algumas surpresas não foram por conta do acaso: no centro da árvore um buraco enorme ficou exposto; um pedaço da pesada madeira foi artisticamente trabalhada pelo Valdinei: ‘Olha dona Rita, estou terminando esse oratório para colocar uma santinha’.


Na vida não conseguimos controlar todas as variáveis e, ainda creio, que há muitas coisas debaixo do céu que nossa vã filosofia desconhece. Já estou no tempo em que algumas explicações não são mais necessárias. Para mim bastou ver um oratório feito do cerne da gabiroba, lugar onde será entronizada Nossa Senhora Aparecida. 


Do buraco, no centro da árvore partida,  dizem, saiu o lobisomem que há quase dois séculos estava enterrado, ou, quem sabe, saiu o homem purificado de uma maldição e agora vive errante pela mata atlântica.
Um novo ciclo começa. Eu, sem nem mesmo imaginar que um dia a árvore pudesse partir ao meio, dei o título a minha postagem, aqui no blog, de ‘curva de um looping’, deixei escrito no que acredito:  ‘Se tentarmos voltar ao espaço do tempo a curva se dobra, fazendo um looping, na verdade a inconsistência é o looping do tempo, o universo tem lá as suas lógicas’. 

(todo tempo em que estive, ali, fotografando... um enorme cão cheirava o enorme pé de gabiroba)

Sim... eu tentei voltar à estória e a curva foi traçada com ventos fortes que fazem a travessia de Caronte.
Felicidades e a paz!

Rita Elisa Seda
Cronista, poeta, biógrafa, fotógrafa e pesquisadora. 
Junho de 2011




As árvores sempre me fascinam. Eu sempre estou à cata de alguma 'estória' sobre árvore, em livros, revistas, jornais, conversas, tv ou rádio. Algo dentro de mim clama por isso... desde que me entendo por gente... se bem que ainda não me entendo!

Creio que nessa busca incessante há muita relatividade com meu pensamento. No caos nasce a luz. Você pode quebrar um ovo, mas nunca mais poderá ordená-lo novamente, mesmo unindo cada pedacinho dele. A desordem das coisas é algo natural. Se tentarmos voltar ao espaço do tempo a curva se dobra, fazendo um looping, na verdade a inconsistência é o looping do tempo, o universo tem lá as suas lógicas.

E é lógico que eu não quero retornar algo que foi destruído, apenas recoloco aqui uma história que me foi contada no domingo, dia primeiro de maio, lá no sítio Nhá Chica.

Vamos por partes.

Primeiro... desde sempre recolho fragmentos históricos, ou devo dizer mesmo... 'estóricos' sobre árvores. Segundo... foi há quase um mês, procurando outro caminho para chegar ao sítio, andei mais 10 km por uma estrada que ainda não conhecia, dessa forma cheguei ao entroncamento que dá acesso ao Nhá Chica por outro lado. Terceiro... foi quando eu avistei a tal árvore. Em um universo paralelo algo sempre grita dentro de mim quando vejo algo que precisa ser registrado. Pulei dentro do carro. Exclamei em voz alta: ‘esta árvore tem estória’! Quarto... parei na casa de Lena e Antônio, amigos de pouca data. Sei que Antônio teria uma explicação para meu sexto sentido. Lena não quis falar no assunto, como ainda não o fez até hoje, Antônio me olhou ressabiado, sem saber se falava ou não. Ficou quieto. Eu insisti que aquela árvore tinha uma 'estória' e que eu precisava saber.

Quinto... foi domingo passado, primeiro dia de maio, depois de levantar o Mastro de Nossa Senhora das Graças no sítio, foi só aí que Antônio resolveu contar a 'estória'. Isso porque eu aticei a curiosidade de minhas amigas que ali estavam, na deixa, conduzi Antônio para uma roda de prosa e, na hora certa, perguntei a respeito da árvore.


                                  Antônio ajudando a levantar o Mastro e soltando foguete.

 Daí por diante foi uma 'estória sem fim'... disse ele que é fato verídico, contado pelo pai dele que por sua vez ouviu do avô de Antônio. Isso há muitos e muitos anos. Foi certa feita, período em que as pessoas que moravam ali nas redondezas da Várzea, assustadas, não saíam à noite por causa de um animal que comia o gado. De quando em vez, ouviam um uivo sonoro e vibrante cortando a madrugada. Depois era silêncio mortal. Nem os sapos coaxavam, nem a coruja piava e os grilos calavam-se. Podia-se escutar até mesmo o crepitar da chama de uma vela, por causa do silêncio que se instalava nas redondezas.

Até que certo dia os homens se uniram para pegar o tal bicho louco. A paz precisava ser pelo bem e, não, pelo mal. O silêncio tinha de ser obra da alegria e não do desespero. Os homens saíram juntos, cada um com um lampião ou lamparina, uma espingarda ou um facão, um bentinho costurado com reza de Credo para fechar o corpo, alguns levavam uma cruz de madeira pendurada em cordão fiado em algodão. As mulheres ficaram em casa, em oração.

Saíram em noite de Lua branca, volumosa, estonteante. Rumaram para o pasto. O uivo gélido cortou a noite, os homens continuaram sua caçada. Juntos, o medo desapareceu... mas, o tal bicho apareceu logo na primeira curva, longe, visível. Os estampidos de fogos ecoaram pelo morro, não foi só um tiro, vários deram conta de deixar aquele enorme cão caído na curva.

Chegaram de mansinho, ainda apontando armas. Foram tomados de uma surpresa tremenda, incrédulos olharam o corpo inerte e ensangüentado, de um homem jovem e forte. O levaram até a estrada principal e, ali, em lugar de destaque aos passantes, enterraram o tal homem.

Ao lado do túmulo nasceu um pé de gabiroba. A melhor gabiroba que alguém pode comer, doce como um mel. A árvore tomou corpo em pouco tempo, ficou grande, criou pelos.

Dizem desta estranha árvore que as mulheres que ali sentam à sua sombra logo arrumam marido. Escutei o relato de Agnaldo que confidenciou o segredo de uma velhinha que de vez em quando vai até essa árvore e a beija. Um dia perguntou à velhinha o motivo dela fazer isso... ela respondeu que foi ali que conheceu seu primeiro namorado, o amor da vida dela, seu marido.

Se a 'estória' é mística, folclórica ou verídica não me cabe averiguar. Apenas, todas as vezes que passo pela árvore, fica dentro de mim a sensação de abandono, de socorro, de oração e de suspense.

                                   Pé de gabiroba, dizem que tem mais de 200 anos... dizem...

Minhas amigas ouviram toda esta 'estória' pela boca de Antônio, homem que conhece os dizeres dos antigos, que leva a sério as tradições e que tem muitas e muitas outras 'estórias' para contar.

Eu a coloco aqui, em fragmentos, como resgate de um tempo em que as pessoas se uniam em prol do bem comum. Bendito tempo!...

Rita Elisa Seda
Cronista, poeta, biógrafa, fotógrafa e pesquisadora.
Maio de 2011



23 comentários:

  1. Acredito, Rita, que deve ser uma lenda para justificar a exclusividade exótica da árvore. Lembrei-me das noites de lua cheia onde o meu pai repetia estórias contadas pelos pais dele. Nostalgia inevitável. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Sim, Antonio, foram essas noites de lua cheia, em roda de prosa com os familiares, amigos e vizinhos que nos proporcionaram grande imaginação para hoje sermos escritores. Felicidades e a paz!

    ResponderExcluir
  3. Minha amiga Borboleta , a daquela árvore achar marido vc não contou!! ! Já pensou ?? Podemos fazer lotação de ônibus para sentar embaixo da árvore ! Ficou d+ !beijos
    ni

    ResponderExcluir
  4. Ivani, você é testemunha fiel que a árvore impressiona. Quando vi que você parou o carro e fotografou a árvore percebi que a mesma sensação que me fez carente de estória da árvore se apoderava de você. A magia de arrumar marido ficou por conta do Agnaldo, ele me contou logo depois que vocês foram embora. Aliás, foi um belo fim de semana. A Nina está feliz! Beijos, felicidades e a paz!

    ResponderExcluir
  5. Essa árvore da foto é impressionante!

    ResponderExcluir
  6. Pablo, impressionante é ficar debaixo dela em noite de lua cheia!... vou convidar os amigos para uma roda de prosa sob a árvore. Você já está convidado. Felicidades e a paz!

    ResponderExcluir
  7. Pura verdade,a árvore impressiona MESMO! Quando eu e o Paulo a vimos fiquei pasma , tínhamos que parar ,não dava para não tirar foto ! Chamava história !
    E o Seu Antonio? Eta, contadô danado! E olha que se pudéssemos , o converse ia varar a noite - foi d+!!
    paz e bem !!

    observação: Que a idéia da lotação ia agradar a muita gente, lá ISSO IA!rs rs rs

    ResponderExcluir
  8. Hehehehe!... essa sua idéia de lotação... hehehehe!... ia render mais que história! Ia render memórias em DNA. O negócio agora é fazermos um dedinho de prosa em volta de uma fogueira. Você viu o Saci na estrada?

    ResponderExcluir
  9. Ritelisa, a árvore realmente, é extraordinária. Nunca vi coisa igual!!! Magnífica, mesmo!!!
    Mas que causa um certo mistério e suspense, isso causa...kkkkk
    Adoro ouvir causos e estórias, faz aflorar em nós, nossa cultura, nossas tradições....bom demais, amiga-irmã!!!
    Obrigada por atender meu pedido amiga, estava com saudades deste teu cantinho, mais que especial; e postar esta crônica com uma pitada mística, folclórica ou até mesmo verídica. Obrigada por registrar essa ‘estória’, que com certeza estava te esperando, como uma curva de looping...

    Não nos cabe, com certeza, averiguar. . .

    MAS ... ESTA BELEZA, TÃO RARA...ACREDITO SER MAIS UMA VEZ, A MÃO E O PODER CRIADOR DE DEUS!!!

    Beijos, forte e carinhoso abraço...

    Sua sempre amiga,

    Silvinha

    ResponderExcluir
  10. Árvore linda; parabéns pelo texto, Rita; abraços.

    ResponderExcluir
  11. O Fanzine Episódio Cultural é um jornal bimestral sem fins lucrativos, distribuído gratuitamente no sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Salvador-BA e Rio de Janeiro. Para participar basta enviar um artigo sobre esporte, moda, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, livros, curiosidades, folclore, saúde, Teatro, cinema, revistas, fanzines, música, fotografia, mini contos, poemas, etc.
    Contato: Carlos (editor)
    machadocultural@gmail.com
    http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com
    Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
    VEJA O FANZINE EPISÓDIO CULTURAL NA FEIRA DO LIVRO DE POÇOS DE CALDAS 2011
    http://www.feiradolivropocosdecaldas.com.br/

    ResponderExcluir
  12. amiga borboleta
    Já tinha colocado a vc o meu espanto, quando soube da árvore. Como testemunha ocular do antes e curiosa do depois do looping me descubri sendo a míope de Carlos Drummond : vemos cada um de acordo com nossa miopia.Descoberta gostosa de ser criatura buscando o divino , prazer de ver que sabedoria passa pelas meias portas e a busca das visôes e miopias de outros , o conhecer que alimenta a alma .
    Por isso , esta história ainda não acabou ! Aliás , a arvore ainda está em pé não é ????
    beijos
    ivani

    ResponderExcluir
  13. Ivani, você viu a árvore imponente, inteira, agora precisa ver metade da árvore, também, imponente, firme. E, a outra metade, caída, cheia de bromélias e orquídeas.
    A miopia é bem vindas, como no filme Patch Adams, quando ele olha os dedos da mão, vê além dos cinco dedos. Beijos, felicidades e a paz!

    ResponderExcluir
  14. RITELISA, MINHA AMIGA-IRMÃ!!! ACREDITO SER MISTÉRIO DIVINO, PELO DESFECHO FINAL do Valdinei: ‘Olha dona Rita, estou terminando esse oratório para colocar uma santinha`. Minha amiga-irmã...Simplesmente, mistérios de Deus!!! Temos que olhá-lo com olhos da Fé...Ver com os olhos da Fé, é ver além de toda e qualquer visão, pretenção humana. Temos que ver o invisível com os olhos da fé!!!
    Ritelisa..."As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam." Com certeza, essa árvore surgiu na sua vida, para Deus lhe mostar algo...minha amiga!!! e... Valdinei chegar com uma gruta, um oratório para colocar uma imagem, FEITA COM ...PRA MIM, TINHA QUE SER NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS....MAS RESPEITO A DECISÃO DE VOCÊS....NOSSA SENHORA APARECIDA, AFINAL....SÃO APENAS TíTULOS, POIS NOSSA SENHORA É ÚNICA, NOSSA QUERIDA MÃE!!!
    Enfim...concordo contigo minha irmã: `Para mim bastou ver um oratório feito do cerne da gabiroba, lugar onde será entronizada Nossa Senhora Aparecida`...SIMPLESMENTE A MÃO DIVINA!!!

    BEIJOS, FORTE E CARINHOSO ABRAÇO...

    SUA SEMPRE AMIGA-IRMÃ...

    SILVINHA

    ResponderExcluir
  15. A pessoa que não pode viver significativamente hoje não o pode esperar levar uma vida brilhante amanhã . Não importando que grandes planos a pessoa possa fazer, se não valorizar cada momento, será o exatamente como muitos castelos no ar. Todas as causas no passado e todos os efeitos no futuro estão condensados dentro do momento presente da vida. Se melhoramos ou não o nosso estado de vida neste momento, determinar se podemos expiar as maldades que causamos desde o infinito passado e se seremos capazes de acumular a boa sorte que permanecer por toda a eternidade. (Daisaku Ikeda)
    Bjão de uma fadinha que adora voar por ai.

    ResponderExcluir
  16. Querida fadinha, seu dom é voar e dar boas novas para os que encontra no caminho. Venha sempre por esses lados e me traga dizeres que nos remetem ao pensamento de felicidade! Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Não sei dizer em palavras sobre o texto poético. Estou emocionado demais, pois sempre estou ao meio da mata atlântica é a minha Catedral da Alma. Obrigado foi Deus que enviou vc ao meu blog p/ poder absorver toda a beleza singela da vida em seu blog. Grato demais. Tenho histórias em minha alma quase iguais, quanta identificação. Grato.Abraços poéticos!

    ResponderExcluir
  18. Aharon, existe uma conexão entre os que amam a natureza, especialmente a Mata Atlântica. Eu não faço propaganda deste blog, pois quero que apareçam aqui apenas os que amam as árvores... que venham pela brisa de um novo amanhecer. Fui ao seu blog e fiquei mesmo encantada. Desde a citação de Caio Fernando Abreu, o papel de parede que resplandece em Universo e seus maravilhosos textos, Aharon!
    Emocionada, sempre! Feliz... todos os dias. Como você disse em seu perfil, é preferível ter amigos expoentes, os que são mornos não falam ao coração.
    Felicidades e a paz!

    ResponderExcluir
  19. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog A Poética de Cibele Camargo. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. This blog is through a nice to meet new people and their land, culture and nature. Come and look at you Teuvo Kuvat - Teuvo images, both at the same time will be my blog collection flag depicting your country's flag to rise higher. You should also tell all your friends to my blog by fermentation. Teuvo Vehkalahti Finland

    ResponderExcluir
  21. Sim, Teuvo, esse blog tem um pouco da bandeira do Brasil, cultura e natureza. Irei ao seu blog ver suas imagens que devem ser muito bonitas. Apareça por aqui quando quiser. Abraços.

    ResponderExcluir
  22. o blog do Teuvo é http://ttvehkalahti.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. “IX CONCURSO PLÍNIO MOTTA DE POESIAS”

    A Academia Machadense de Letras (Machado-MG / Brasil) comunica a realização em novembro de 2013 de seu IX Concurso de Poesias. As inscrições encerram-se no dia 14 de outubro (2013). Para receber gratuitamente o regulamento em arquivo PDF, entre outras informações, favor entrar em contato através do e-mail: machadocultural@gmail.com

    ResponderExcluir